Thursday, December 04, 2014

Natal? Que Natal!



Não tenho o espírito de José Saramago, no seu livro sobre a figura do Mestre dos mestres; nem daqueles que negaram a humanidade e divindade do Messias prometido. Não há como substituí-lo. Nem quero pensar em Renan e alemães do Século XVIII que negaram e renegaram o Jesus Histórico. A minha enfática pergunta se refere ao falso espírito de Natal dos cristãos em todo o mundo, sobretudo no mundo do Ocidente. Natal?! Uma festa consumista como poucas no mundo inteiro e os Estados Unidos e a Grã-Bretanha ou Inglaterra e outros países bombardeiam o Estado Islâmico pelas maldades de uma cristianofobia.

Qual a razão dessa guerra de destruição? Não será o petróleo? Não será o controle dos poços de petróleo de todo o Oriente Médio? Enquanto o Estado Islâmico pretende destruir o que resta do sentimento verdadeiro de Natal, lembrem-se os Estados Unidos e a Europa que o Ocidente perdeu, como a antiga URSS, a guerra injusta contra o Iraque e, antes, o Afeganistão. A derrota no Vietnã deveria sempre lembrar aos norte-americanos que a união de um povo é perigosa e inviabiliza esses atos verdadeiramente terroristas. A Guerra do Vietnã foi um crime. A ONU, mais uma vez sai desmoralizada e desacreditada em face da política internacional, do Estado Islâmico, de Israel e da Faixa de Gaza e há um propósito de desfazer de Jerusalém como uma cidade sagrada das três mais numerosas religiões abraâmicas – judeus, muçulmanos, cristãos.

Natal? Que Natal!? Depois de dois mil anos de Cristianismo, a África está imersa em guerras, fome, desolação e tristeza. Médicos Sem Fronteiras tudo fazem para dar um certo equilíbrio aos povos oprimidos da África. Os cristinhos africanos são dizimados por obra e graça dos que acreditam (ou acreditavam) que Jesus é seu salvador. A Ásia, nas regiões pobres, está sendo cada vez mais espoliada. A América Latina está em fome geral em surdas conquistas, as periferias no abandono e o Papa Francisco pede que os eclesiásticos e cristãos vão às periferias, mas, pergunto: Quem está indo às periferias?

O Brasil está em gastança em época de recessão e situação econômica desequilibrada. Enquanto os “classes médias” ainda fazem presépios e árvores de Natal, a juventude brasileira e internacional está com milhares e milhares de desempregados de todas as idades, a violência no Rio, São Paulo, Belo Horizonte e Salvador, em todo território nacional é uma guerra civil não declarada. A pobreza no país inteiro e sobretudo, no nordeste e norte, parte do centro-oeste, é de corar o “frade de pedra”.

Gandhi tinha razão: “Admiro Cristo e seu evangelho, mas não entendo os cristãos”. E é para se entender se os cristãos (Católicos, Ortodoxos e Evangélicos) farreiam e exploram todos os países economicamente e humanamente, enquanto os privilegiados do Senhor (bem-aventurados os pobres porque deles é o Reino dos Céus) estão sendo esmagados desgraçadamente e não têm perspectiva de futuro? Que futuro tem a juventude miserável das grandes e pequenas cidades, das capitais e dos interiores do Brasil, ou seja, em todas as periferias?

Natal? Que Natal!? As classes que são abastadas fazem campanhas de doação de presentinhos para os pobres, mas enchem-se cada vez mais de dinheiro, pouco se importando com os proletários. Os ricos e ditos religiosos não olham para os operários e proletários. Os ricos lamentam e só: só palavras. A concentração da riqueza no mundo ocidental e no Brasil é uma bofetada no Cristo Menino Jesus da manjedoura de Belém... Eu lastimo e protesto. Tenho direito como ancião, aos 88 anos e ainda tendo coragem de escrever o que acima fiz e esperar que seja transmitido. A esperança, diz o aforisma, é a última que acaba. O que fazer? Só posso gritar como fiz neste artigo panfletário, como os profetas do Antigo Testamento e de João Batista decapitado pergunto: Natal? Que Natal!?


Germano Machado, professor aposentado da UFBA e da UCSal, fundador do movimento educativo-cultural CEPA – Círculo de Estudo Pensamento e Ação, membro da Academia Baiana de Educação e de Letras e Artes do Salvador e da Academia de Letras e Artes Mater Salvatoris (Mãe do Salvador)

Você já leu Memorial do Inferno, de Valdeck Almeida de Jesus?

Followers

About Me

My photo

VALDECK ALMEIDA DE JESUS nasceu em Jequié, Bahia, em 1966. Jornalista, trabalha, atualmente, como funcionário público, editor de livros e palestrante. Publicou os livros Memorial do Inferno: a saga da família Almeida no Jardim do Éden, Feitiço contra o feiticeiro, Valdeck é Prosa e Vanise é Poesia, 30 Anos de Poesia, Heartache Poems, dentre outros. Participa de mais de 30 antologias. É organizador e patrocinador do Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus de Poesia, desde 2005. Expõe seus textos no site www.galinhapulando.com

Contato com o autor: poeta.baiano@gmail.com

Minhas Músicas


MusicPlaylistRingtones
Create a playlist at MixPod.com