Friday, October 23, 2009

Estado de São Paulo, se prepara para o Encontro Anual de Poetas Del Mundo


Pela primeira vez, o estado de São Paulo, se prepara para reunir Poetas Del mundo, que vão se encontrar em um dos mais nobres espaços culturais, do País.

Tendo como Embaixadora para o Brasil e Sub-Secretária para as Américas dos Poetas del Mundo, a advogada *Delasnieve Daspet na linha de frente, o encontro anual dos integrantes do Movimento Poetas Del Mundo, tornou-se evento tradicional no Brasil, e se dá em todos os estados brasileiros, há quatro anos, sendo praticado nos 119 (cento e dezenove) Países associados ao Movimento.

Chegando de Santiago do Chile, o evento paulista, contará com a presença de *Luis Arias Manzo, premiadíssimo poeta, escritor e Fundador do Movimento Poetas Del Mundo, onde falará, entre tantos, sobre as atividades da entidade no mundo.

Outra figura de destaque internacional, é a apresentadora de televisão Lusophonie TV, Produtora, jornalista e apresentadora do programa ALÔ, BRASIL! na Rádio Francesa Arc en Ciel de Orléans, *Diva Pavesi. A brasileira, que no movimento poetas Del mundo é embaixadora na França, se apresentará tratando do tema: O ano da França no Brasil.

Muito além de um encontro, reunindo importantes nomes da poesia e da literatura, que integram o Movimento Poetas Del Mundo, o evento tem intuito de promover ações que possam despertar a atenção do mercado editorial, buscando deste, respostas que vão desde “o saber porque” da poesia não representar um produto comercial interessante, até os bastidores da mídia, que pouco se interessam em divulgar poetas e poesias.


Organizado pela jornalista, e Cônsul dos Poetas Del Mundo da Cidade de São Paulo, *Elizabeth Misciasci e secundada pelo Cônsul Vila Brasilândia *Hiago Rodrigues Reis de Queirós, o evento conta ainda com as presenças em debates, de literatos, jornalistas, editores e educadores, como: - Paulo Ferraz, José Faria Nunes, Silas Correa Leite, Rosani Abou Adal, Rodrigo Capella, Ricardo Almeida, Miguel Rúbio (Miguelzinho da Vila) e Valdeck de Jesus entre outros grandes nomes.

Durante o evento, haverá o lançamento do livro Poesistas, que é uma comunidade poética criada pelo poeta e co-produtor do evento, Hiago Rodrigues Reis de Queiros, para reunir aqueles bons poetas que, ou publicam seus textos avulsos na internet e em sites de autopublicão, ou não se adaptaram à época web e têm suas obras só no papel marcado pela velha máquina de escrever.

Numa mistura de poesia, dança, música, debates e palestras, o evento acontece na Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura Av. Paulista, 37 - Bela Vista-SP dia 21 de novembro 2009 das 14:00 as 21:00h.
Fones: (11) 3285-6986 / 3288-9447

O que é o Movimento Poetas Del Mundo?

É sobretudo, o encontro dos povos pela palavra e com a palavra de poetas do mundo, que unidos num mesmo propósito, buscam através da arte poética, clamar e proclamar em defesa da humanidade e da vida no planeta.

O movimento nasceu em 2005, em Santiago, Chile, pelas mãos do escritor e poeta Luis Arias Manzo com o propósito maior de agregar esforços e talentos na inquietude do trabalho contínuo, para a Paz e pela Paz mundial.

Presente hoje em (cento e dezenove) 119 Países, o movimento conta com embaixadores nos países membros, cônsules nos estados e municípios e associados, que somam mais de seis mil integrantes. Seu manifesto universal é um vigoroso apelo em favor da vida e pela união entre os povos.

*Luis Arias Manzo: Destacado poeta Chileno, e grande difusor da poesia a nível Mundial, fundou em 2005, um dos mais importantes Movimentos, O Poetas Del Mundo.

Voltado completamente aos problemas que afligem as nações, Arias é sempre um olhar firme e cuidadoso que propõe de forma solidária e humana, mudanças nos contextos cruéis que assolam a humanidade, através da arte escrita, que transcende o lirismo de seus versos.

Grande artista e célebre ativista, que comunga da dor de muitos, e absorvendo as feridas do mundo, segue derramando as lágrimas da alma, na incansável peregrinação em busca da paz.

Sua historia de vida impressiona, onde a riqueza do conteúdo que brotou das experiências marcantes pelos tempos de exílio, vai tornando uma simples conversa, em uma fascinante viagem pelo tempo, ou uma aula à parte, se a atenção desviar o percurso, mas, sempre regado a uma generosa dose de cultura.

Aos 17 (dezessete anos) saiu do Chile, rumo a França, onde permaneceu por 12 (doze anos) exilado, entre o período de 1973 a 1991, quando então regressou ao Chile e em Santiago, instalou a la Librería Apostrophes, uma livraria especializada na difusão e venda de livros em Francês, no centro da Cidade.

Autor de vários livros, e premiadíssimo em diversos Países, Luis Arias Manzo, faz dos seus dias e do novo ou velho tempo, uma luta incansável na busca incessante da Justiça, da solidariedade, da igualdade, e acima de tudo da Paz.

Um homem que carrega dolorosas, profundas e eternas cicatrizes que lhe foram tatuadas pela brutalidade da vida, e que trilhou por caminhos intransitáveis, poderia ser mais um, a despejar por sobre a terra seu sofrimento, no entanto, a voz calma, o sorriso que revela a simpatia e a humildade de quem é do bem, esboçado no semblante sereno, poderia ser o retrato falado, deste Embaixador da Paz!

*Delasnieve Daspet: é figura importante no cenário brasileiro, seja pela Literatura, pelo Direito ou pelo ativismo em causas sociais.
Ela é marco de uma nova era, onde competência, seriedade, determinação, ética, talento e benevolência, são alguns dos ingredientes que a diferencia; razão pela qual, trilha uma carreira brilhante numa vida plena de Sucessos.
Exerce a profissão de advogada em Campo Grande (MS), participando ativamente de diversas e importantes comissões, como: Comissão de Direitos Humanos da OAB/MS, Conselheira Estadual e Municipal de Assistência Social, também, Conselheira Estadual e Municipal de Cultura; em Campo Grande/MS, desenvolve um grande projeto em âmbito nacional e internacional no que tange a ressocialização de apenados.
Embaixadora para o Brasil e Sub-Secretária para as Américas do Movimento poetas Del Mundo, e Embaixadora Universal da Paz no âmbito do Círculo Universal dos Embaixadores da Paz, (Cercle Universel Des Ambassadeurs De La Paix - Suisse/France) Daspet, é profissional nas áreas dos direitos humanos, direitos sociais, solidariedade, meio ambiente, pela dignidade do homem, atuando com ações voltadas para a promoção de uma cultura de paz - em prol do homem e da humanidade - sempre com e pela poesia, sendo indubitavelmente, um referencial a ser seguido.

*Diva Pavesi: É Produtora Cultural e Curadora na Europa, onde se mantém em efetiva atuação ha mais de 22 anos. Presidente da ONG Cultural Franco Brasileiro DIVINE PRODUCTIONS INTERNACIONAL, que esta completando catorze anos dedicados à promoção do Brasil nas Artes e Cultura, promovendo personagens dessas áreas, bem como defendendo e promovendo as Artes e Cultura Francesa no Brasil. DIVINE PRODUCTIONS tem a missão de defender e difundir as artes, cultura e turismo do Brasil na França e Europa, bem como realizar atividades culturais em prol de uma missão de solidariedade às crianças carentes do Brasil e da África. Embaixadora Universal da Paz no âmbito do Círculo Universal dos Embaixadores da Paz, (Cercle Universel Des Ambassadeurs De La Paix - Suisse/France). Brasileira nascida em São Paulo-SP é naturalizada Francesa, vive na Europa há 21 anos. Jornalista colaboradora do Jornal da Académie des Arts Sciences et Lettres, Paris. DIRETORA E FUNDADORA DE JORNAIS E REVISTAS *Diretora e Jornalista fundadora dos Jornais: “PALOP” Portugal/ France 1992, entre tantos. Representa a REBRA - Rede de Escritoras Brasileiras e é Delegada da Académie Arts Sciences Lettres, coroada pela Academia Francesa. Recebeu em 2003 e 2004, pela Académie Arts Sciences Lettres, a Medalha de Vermeil e de Ouro pelos relevantes serviços prestados à Cultura.

*Elizabeth Misciasci: Jornalista, humanista, pesquisadora, escritora, poetisa, crítica literária, jurada de diversos concursos de literatura, membro ativo de grupos culturais e intelectos, voltados ás áreas de educação, arteterapia, reabilitação, inserção social e literatura. Fundadora do projeto zaP! no qual, hoje é Presidente, faz um trabalho voluntário nos Presídios Femininos, com as reeducandas e fora destes, com as egressas, que visa entre muitos, a não reincidência e a reinserção social, sendo uma das precursoras dos concursos literários nos cárceres. Elizabeth Misciasci, que foi Produtora da Maurício de Souza produções, assinando a co-produção da trilha sonora do Filme Os Trapalhões no Rabo do Cometa, tem músicas de sua autoria interpretadas por vários cantores de sucesso, assinou o remake das "Memórias do Seu Nenê", a Lenda Viva do Samba brasileiro. Mantenedora de importantes veículos de comunicação, editando a Revista zaP e sendo também, mais uma Embaixadora Universal da Paz no âmbito do Círculo Universal dos Embaixadores da Paz, (Cercle Universel Des Ambassadeurs De La Paix - Suisse/France).

* Hiago Rodrigues Reis de Queirós: Com vinte anos de idade, o Poeta que nasceu em São Paulo, no bairro da Lapa, começou a surpreender a todos, desde os primeiros passos de sua alfabetização, pois se demonstrava dedicado às leituras consideradas difíceis, para um menino de cinco anos.
Em 2003, começou a publicar tanto poesia, (111 Prosas que versam … e às vezes rimam) quanto romances (Uma Carta Para João, OS TRÊS ERROS). Após a publicação de Hotel da Miséria Humana, em 2006, elaborou um escrito que denomina Manifesto Realtragista, que reafirmava um fazer literário baseado na tragédia. Em 2007 montou duas primeiras peças teatrais, Imprigma e O Baú do Escritor, e no fim desse mesmo ano, publicou o romance As Cinzas da Fênix, e seu quinto livro de poesia: 115 Prosas Que Versam … e às vezes rimam.
Em 2008 lança Olhares Em Eclipse, Silêncio Interno e Acerto de Contas. Em 2009, publica os livros, Versando Sem a Lua, Depoimentos da Solidão, e em inglês: Poetry In Essence e Suicide Philosophies. O jovem Poeta, Hiago Rodrigues Reis de Queirós Cônsul para a Vila Brasilândia do Movimento Poetas Del Mundo, e sócio da União Brasileira de Escritores é sem dúvida alguma, um escritor da nova Literatura Brasileira, que se mostra no vértice de um triângulo entre o erudito e o popular, dos quais usa de todos os recursos e de toda a literatura anteriormente composta para expor uma nova literatura, (...) renovada onde introduz a erudição ao simples de maneira cômica, também simplificando e até "zombando" do simples, com a erudição exagerada.


*

Site oficial do Movimento Poetas Del Mundo:
http://www.poetasdelmundo.com/

Manifesto na íntegra em Português, pode ser acessado:
http://www.eunanet.net/beth/poetas_del_mundo_manifesto.php


Serviço
Encontro Anual dos Poetas Del Mundo do Estado de São Paulo

Data: 21 de novembro (sábado)
Horário: 14 horas
Local: Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura
Endereço: Avenida Paulista, 37 - Bela Vista-SP -
Fones: (11) 3285-6986 / 3288-9447

Informações para a imprensa
Solicitação de entrevistas, programação e mais informações, podem ser solicitadas através do e-mail:
poetasdelmundosp@globo.com
Elizabeth Misciasci
Assessoria de Imprensa Poetas Del Mundo Estado de São Paulo
55 (XX) 11 9677.9428 e 55 (XX) 11 6461 1907

NOS IDOS DE 68

Edição rememorativa do quadragésimo aniversário do ano bissexto em que os jovens se tornaram sujeitos da História e quase mudaram a trajetória do mundo.

MAZZA
edições
Retornando aos anos sessenta com a bagagem do estudioso de História e do adulto que analisa a trajetória do rapaz, Luiz Lyrio procura refazer o quadro da época, relatando uma história real em que seus heróis são pessoas cheias de convicções, dúvidas e conflitos internos. Sobre ele e seu mais importante trabalho, assim se manifestaram alguns críticos literários:

“(...) Descrito na primeira pessoa, NOS IDOS DE 68 fala de uma época em que os donos do poder ostentavam estrelas nos ombros, torturando e assassinando (...) pessoas que queriam apenas ver este país com mais liberdade e menos miséria humana. E, enquanto era manchada a dignidade das almas brasileiras, poetas vislumbravam nas estrelas do céu que dias melhores estavam por vir. Luiz Lyrio, com sua sensibilidade, era um desses poetas(...)”. – ROGÉRIO SALGADO – Poeta e escritor.

“(...) Luiz Lyrio, professor de História, tem como característica o ter estado inserido na recente História Brasileira. (...) Suas experiências pessoais são narradas com surpreendente fluxo verbal para expor a memória retrógrada, a mediata e a imediata, todas de forma intrínseca, misturadas à própria memória do país (...)”. – CLEVANE PESSOA – Escritora e poeta.

“(...) A grande vantagem de relatos como o de Luiz Lyrio é a possibilidade das gerações mais novas conhecerem, de fato, o que aconteceu ali. Nenhum compêndio histórico, filme ou livro didático subistuem a força da experiência. Quem viveu 68 – o ano que nos aquece – e sua sina sabe disso. E quem não viveu está prestes a descobrir um novo mundo (...)”. _ ALÉCIO CUNHA - Jornalista, poeta e crítico literário, repórter da Editoria de Cultura do Jornal HOJE EM DIA de Belo Horizonte – MG

“Que crônica deliciosa, emocionante, bem humorada, sincera. Obrigado pela oportunidade de reler 68 com teus olhos e conhecer um escritor que, pelo anunciado, nos trará uma boa prosa de ficção”. SÉRGIO FANTINI – Poeta e contista.

Lyrio, Luiz. NOS IDOS DE 68. 104 páginas. Mazza Edições, 2008 será lançado em São Paulo durante a 5ª Semana do Escritor de Sorocaba, no dia 23 de julho, às 16h, na Rua Brigadeiro Tobias 73 - Centro – Sorocaba.

Sobre o autor:
Professor e escritor, Luiz Paulo L. de Araújo (Luiz Lyrio) é natural de Belo Horizonte. Formado em História pela UFMG, publicou os livros GRÊMIO LIVRE: UM EXERCÍCIO DE CIDADANIA (1998), NOS IDOS DE 68 (2004), MARCAS DE BATOM (2OO4) e ABDUÇÃO (2007). Em 2006, teve seu conto “PARA QUE CAMINHAR?” classificado em 6o lugar para publicação em livro no CONCURSO LITERÁRIO FLIPORTO – 2006 (Porto de Galinhas (PE)). Em 2007, teve seu conto CORPO FECHADO selecionado no VI Prêmio Literário Livraria Asabeça (São Paulo – SP) para publicação em antologia e ganhou Menção Honrosa no 5º CONCURSO LITERÁRIO GUEMANISSE DE CONTOS E POESIAS. Em 2008, a Mazza Edições lançou uma nova edição de NOS IDOS DE 68. Embaixador Universal da Paz (pelo Cercle Universel de Les Embassadeurs de la Paix -Genebra, Suiça), Lyrio é membro de Poetas Del Mundo, representante do Movimento ABRACE em Aracaju, Membro Correspondente da Academia Cachoeirense de Letras e Membro Correspondente da Academia de Letras de Teófilo Otoni (ALTO).

Friday, October 16, 2009

CHORUMES: Os Poemas “Anjos Afogados” de Marcelo Ariel


“Os seres humanos me assombram”

Markus Zusak

In, A Menina Que Roubava Livros




Espantalhos: seres reses. A máquina de existir é a máquina de parir seres. Serão seres? Existem? “Existir a que será que se destina?”, perguntou cantando Caetano Veloso. O Poeta de Cubatão, Marcelo Ariel, sabe. Deve doer saber. E nos responde por tabelas ou diretamente nas fuças com horror de ver, viver e escreviver: anjos afogados. Anjos em fios de alta tensão. A morte-amor. Choro e ranger de dentros. Jean-Paul Sartre dizia que ninguém é escritor por haver decidido dizer certas coisas, mas por haver decidido dizê-las de determinado modo.

A chocante Poesia de Marcelo Ariel é uma fronteira cercada de destroços por todos os lados. Vidas-Socós. As duras realidades focadas na névoa-nada. A vida sobrevivencial lançando chamas na UTI do cáustico olhar plausível. A alma sangra entre o chão-diesel e os estilhaços poéticos multicortados de pontos de interrogachão. A cena do crime de existir. Escrever é um modo de estar no mundo, para repugnar-se contra o próprio mundo, e ainda assim sentenciá-lo ao assento de horror.

A poesia tirando enterros da alma em pedaços. O revólver quente da criação destrinchando verbos, versos, ver-se, ter-se, verter. Prismas-caças-e-caçadores. Poesia dolor. “Como o céu que dança pra si mesmo/Sem a nossa presença/E depois apaga” (In, Com Miles Davis na Serra, pg.48). Os desterros são íntimos. Os aterros sociais têm seus chorumes dolorosamente lírico-contestatórios por assim dizer. Feito um açougue metafísico de almas letrais.

Marcelo Ariel voa com remos. As desnaturezas do ranço humano/urbano/insano. A maldição daquele que respiga as sobras, restos de nadas: sub-seres. E ainda achando poemas aí. Meio Jean Genet Pretobrazyl, um pleno pliniomarcos mestiço nas trincheiras do caos que retrata em fotogramas de amarguras, pintando com lucidez palavral os seus achados e perdidos. Não é fácil. Nunca foi.

Um Goya-rimbaud. Os sem cérebro produzem monstros. Como ainda tirar poemas do inferno?. O lusco-fusco não sabe de lágrimas de muito além de Dante. O inferno são os seres. O céu rebrilhante de Cubatão é poluição pesada. A poesia toxina esplende um historial da morte poeticamente homeopática dos que foram soterrados. Em meio ao monturo Marcelo Ariel vaza poemas-lágrimas, poemas duros, tristes, contundentes, assustadoras lascas de seu meio. Filósofo e metafísico. Que ciência há em não pensar sobre? Entre carcaças de todos os tipos e naipes, os poemas-letra-de-rock pesado em valas perdidas. Chorumes-rajadas. Metralhando palavras que se encorpam em peso-visão, brutezas pegajentas. Falou o diabo e aparece o anti-clímax. A vida só é possível reinventada, disse Cecilia Meireles.

Poemas sentidos. Há sangue pra tudo. Serão só poemas? Testemunhos-depojos. Não, são também luzes negras sobre macadames de lixões. “A morte não dorme/A alma não pensa/A vida não vive” (In, Veredito, pg 93). Marcelo Ariel é isso: esquisito porque puramente real por mais que isso nos doa. O asco é mais embaixo. Só os imbecis são felizes. Não há sensações no esquecimento. Ai de ti Cubatão-Brazyl! Ensaios de amargedons localizados, datados. Estúdios a céu aberto entre viadutos, chaminés, mangues e resíduos fichados. Entre ratos, abutres, quasehumanos. A sifilização-réstia. O olhar transido é ainda recolhedor sistêmico. Ponches de restos. Sangria desatando subvidas. Os excluídos sociais, os carentes, os sacrificados, as amarguras de. Tudo do mesmo. Paradoxos inexatos que sucumbem entre mesmices impunes. O teatro de absurdos da vida real no seu pior estertor. “Na noite/Se convertendo em transparência sem tempo” (In, Espelho, pg.137). Marcelo Ariel não é fácil também. Somos literalmente atravessados por seus versos de arames em tintas entrecortadas dele mesmo no seu estilo todo próprio de repaginar o que vê/sente/comporta/assoma/redime... liquidifica. Assustador.

Marcelo Ariel é um soco de luz no LER. Ler o livro de Poemas “Tratado de Anjos Afogados” é um sopro na acomodação saturada. Poesia puro sangue. Os perdidos nas estrofes sujas da mais descarnada vida são literalmente revivificados. Escrevendo ele tira fantasmas da névoa e diz da dor de havê-los. Dói sentir a dor dos outros. Não há como sarar o mundo; já não é possível curar o mundo. Parafraseando Baudelaire, sob o crânio da raça humana o horror não faz milagres. Os miseráveis precisam de poetas para retratá-los, serem assim disformes registrados em suas condições de subvida, como seres ocasionalmente sobrevivenciais que acabam sendo, entre os chorumes dos condomínios fechados e os tantos insensíveis podres poderes. As cinzas das desonras.

Falando sério, cara pálida, é muito difícil resenhar um livro como o Tratado dos Anjos Afogados de Marcelo Ariel. Você procura palavras exatas e não acha, não cabem, querem refugar o sentir, o pensar, o se achar num igual. Não há metáforas que caibam como identificações em poemas de tal grandeza cívica até. Nem são almas penduradas nos varais para secarem os ossos, mesmo que pareçam. Com tanta “informação” (poesia tensão) você fica irado com a carga poética que recebe, apreende, engole a seco; feito um ocasional renunciante à vida. Vida? Como não fazer parte daquilo e se aceitar humano? Que vida? O que é isso? Seres? Que seres? Chorumes.

Poemas como incompreendidas nênias entoando impressões digitais de mortos. A carne-vida nos poemas insepultos. Dentro das covas clandestinas desses céus e infernos não há GPS. Que cadáver-vitrine é a raça humana, a civilização por si mesma? Marcelo Ariel arranca poemas de feridas. Leia-o. Isso é que é Poesia. Venha para o mundo de Marcelo Ariel. Mas se apronte que vai doer um bocado. No entanto, você também precisa se enxergar no charco, ver a própria lama social entre cacos de espelhos.

Subterrâneos de confins. Marcelo Ariel escreve poemas como quem recupera, com sua placa mãe de captura em alta sensibilidade, os suspiros dos sentenciados a sobreviver; como ainda um pior castigo-condenação do que ter que existir.

Existir?

-0-

Silas Correa Leite – E-mail: poesilas@terra.com.br
Blogue: www.campodetrigocomcorvos.zip.net
Autor de O HOMEM QUE VIROU CERVEJA, Giz Editorial, 2009, SP, Prêmio Valdeck Almeida de Jesus



BOX:

Livro: TRATADO DOS ANJOS AFOGADOS – Gênero Poesia
Autor: Marcelo Ariel – Literatura Brasileira Contemporânea
marceloahriel@yahoo.com.br – Coleção Sentimento do Mundo
Edição 2008, 216 páginas


Editora: LetraSelvagem – Associação Cultural LetraSelvagem
Organização Nicodemos Sena
E-mail: letraselvagem@uol.com.br
Site: www.letraselvagem.com.br

Tuesday, October 13, 2009

Eventos - Poesia baiana em Sampa

Eventos - Poesia baiana em Sampa
O escritor Valdeck Almeida de Jesus é um dos participantes do encontro anual dos Poetas Del Mundo.

A festa literária vai acontecer dia 21 de novembro, na Casa das Rosas, endereço privilegiado da cultura brasileira, organizado por Elisabeth Misciasci, Embaixadora Universal da Paz e Cônsul da cidade de São Paulo dos Poetas Del Mundo. Ali serão debatidos temas relativos ao universo do livro e da poesia. A abertura fica por conta da Dra. Delasnieve Daspet, sub-Secretária para as Américas.
Valdeck Almeida de Jesus é membro da entidade e vai representar a Bahia. O evento é aberto a todo o público e tem como principal objetivo divulgar obras da literatura brasileira e mundial, além de provocar os participantes a responder: Qual a postura atual do poeta na sociedade; Quais os paradigmas da poesia contemporânea; Qual a colocação da poesia no Mercado Editorial Brasileiro.
O Encontro da Poesia Paulista e o Encontro Anual do Poetas del Mundo do Estado de São Paulo será uma verdadeira Convenção da Poesia, posta em debate por todos os agentes que atualmente fazem a arte poética ser viável: leitores, editores, livreiros, jornalistas, professores, estudantes, críticos e colunistas literários etc. A interação entre o público e renomados escritores visa ampliar o gosto pela leitura, estimular o intercâmbio cultural e ampliar as fronteiras da arte.
O Poetas del Mundo é um movimento que pretende impor a voz do Poeta na sociedade, e por isso mesmo todos os membros, Cônsules e Embaixadores estão oficialmente convidados a participar, sendo de São Paulo ou como convidados visitantes, de outros Estados.
VALDECK ALMEIDA DE JESUS, 43, Jornalista, também é funcionário público, editor de livros e palestrante. Publicou os livros Memorial do Inferno: a saga da família Almeida no Jardim do Éden, Feitiço contra o feiticeiro, Valdeck é Prosa e Vanise é Poesia, 30 Anos de Poesia, Heartache Poems, dentre outros. Participa de mais de 30 antologias. É organizador e patrocinador do Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus de Poesia, desde 2005. Expõe seus textos no site www.galinhapulando.com Contato: valdeck2007@gmail.com
O quê: Encontro Anual dos Poetas Del Mundo
Quando: 21 de novembro de 2009
Horário: Sab, 14:00hs
Preço: entrada gratuita
Onde: Casa das RosasAvenida Paulista, 37 – Bela Vista – São Paulo
Informações: infoencontro@gmail.com Elizabeth Misciasci – (11) 6461-1907 e 9677-9528
Hiago Rodrigues - (11) 8490-3602
Quem vai estar lá:http://poesiapaulista.blogspot.com/2009/07/quem-vai.html
Cronograma:
14h30: Abertura do Encontro. Discurso de agradecimento pela presença; Breve definição do que é o Encontro da Poesia Paulista. Explanação aos presentes do que se seguirá.
15h00 Lançamento do livro da Poesistas.Explicação sobre o que é a Poesistas e qual seu objetivo.
16h00: Abertura do Debate: sobre a importância de se entender a colocação do poeta na realidade e da poesia no Mercado Editorial
16h30: 1º Debate: Qual é a postura atual do poeta na sociedade.Convidados: Dirceu Villa, Ana Peluso e Paulo Ferraz
17h30 2º Debate: Quais são os paradigmas da poesia contemporânea.
Convidados: Sérgio Vaz, Rosani Abou Adal e Delasnieve Daspet
18h30 3º Debate: Como está o Mercado Editorial para a Poesia.
João Scortecci, Ricardo Almeida e Rodrigo Capella
19h30 Sarau com os Poesistas e com os demais poetas presentes.
20h30 Encerramento.

fonte: Galinha Pulando
E-mail (contato): valdeck2007@gmail.com
Visite: www.galinhapulando.com/visualizar.php?idt=1813219
Posted using ShareThis

Monday, October 12, 2009

Livros a mão cheia no Espaço Castro Alves

Ontem a noite (10), na MegaStore Saraiva Salvador Shopping, aconteceu a III edição do Fala Escritor e como nas edições anteriores foi um evento cheio de surpresas. Na palestra “Machado de Assis e Profissão do Escritor”, Carlos Alberto Barreto falou sobre as dificuldades que os profissionais do livro passam, pois não há uma regulamentação da profissão de escritor, escritor não se aposenta, não tem registro em carteira e malmente consegue conviver apenas do seu trabalho artístico intelectual.


Barreto convidou Valdeck Almeida de Jesus, vice presidente da Câmara Bahiana do Livro para dar sua opinião sobre o assunto. Além dele, participaram também, Jaime Poeta e Malu Freitas. Nesta edição, assim como nas outras, apareceram poetas que inscreveram-se na hora do evento para o recital e assim tivemos dezoito poetas mostrando sua arte, vamos aos nomes:


Isabel Bispo, Lucumar Soares, Sandra Stabile, Malu Freitas, Leandro de Assis, René Átila, Varenka de Fátima, Renata Rimet, Monique Jagersbacher, Tássio Revelat, Luís Ramos, Valdeck Almeida, Lucelma Oliveira, Vera Passos, Priscila de Athaides, Jaime Poeta, Ildo Simões e Carlos Alberto Barreto.


Estava presente também o jovem escritor e poeta Bruno Máriston, estudante do nono ano do ensino médio no Colégio da Polícia Militar - Lobato. Bruno teve seu poema Violência recitado pelo idealizador do evento, Leandro de Assis. No poema, Máriston fala que “gostaria de ver o mundo com muita paz e mais decência, onde todos se unissem e desse um basta na violência”. Contamos ainda com a presença dos escritores, Carlos Souza, Alexandre Amaral e da escritora Fau Ferreira, uma das organizadoras do evento.


Além dos livros Diário de Rafinha de Léo Dragone e do Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus de Poesia, que já estavam programados, foi lançado o livro O Vampiro da Internet de Licínia Ramizete, que foi públicado pela editora gaúcha Fábrica de Leitura. Os livros de Léo Dragone e Valdeck Almeida de Jesus estão disponíveis na Saraiva e o da Licínia Ramizete na Siciliano Iguatemi.

Mais uma vez tivemos a honra ter conosco os músicos Carlos Ventura e Rick Vieira que encerraram a programação com interpretações de outros artistas e também com suas composições.


Desta vez a apresentação ficou por conta de Grigório Rocha um dos organizadores e autor do blog Poesia do Absurdo: http://poesiadoabsurdo.blogspot.com/

Fonte: Inquietações

Você já leu Memorial do Inferno, de Valdeck Almeida de Jesus?

Followers

About Me

My photo

VALDECK ALMEIDA DE JESUS nasceu em Jequié, Bahia, em 1966. Jornalista, trabalha, atualmente, como funcionário público, editor de livros e palestrante. Publicou os livros Memorial do Inferno: a saga da família Almeida no Jardim do Éden, Feitiço contra o feiticeiro, Valdeck é Prosa e Vanise é Poesia, 30 Anos de Poesia, Heartache Poems, dentre outros. Participa de mais de 30 antologias. É organizador e patrocinador do Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus de Poesia, desde 2005. Expõe seus textos no site www.galinhapulando.com

Contato com o autor: poeta.baiano@gmail.com

Minhas Músicas


MusicPlaylistRingtones
Create a playlist at MixPod.com